terça-feira, 30 de maio de 2017

NAS ASAS DO HAICAI

Ilustrações de Angela-Lago
Editora Aletria
64 páginas -  17 x 24 cm
2016 1ª edição

Será que é preciso ter asas para voar?

Neste livro você vai conhecer o voo inusitado de seres vivos ou inanimados.Cada jeito de voar é apresentado num haicai – uma forma especial de poesia nascida lá no Japão, mas que o mundo todo provou e aprovou. Aqui no Brasil, grandes poetas contribuíram para divulgar a arte do haicai, como Guilherme de Almeida, Paulo Leminski, José Paulo Paes, e, ainda hoje, Leo Cunha, Alonso Alvarez, Nelson Cruz, Angela Leite de Souza e outros.

Trata-se de um divertido desafio: em apenas três versos, com um determinado número de sílabas, fazer o retrato de um momento presente. No caso deste livro, o retrato de um voo! Desejo que você também possa voar nas asas destes haicais, de A a Z. E, quem sabe, queira fazer retratos de alguns momentos que são especiais para você! 

Resenha no blog "Era outra vez" do jornal Folha de São Paulo
pelo repórter Bruno Molinero - 16/05/2017:

Diz um poema do moçambicano Eduardo White que “sílaba a sílaba / o verso voa”. Em “Nas Asas do Haicai”, é o alfabeto inteiro que bate asas por aí. A autora, Sônia Barros, cria versos curtos e precisos para cada letra. O neto e a neta voam com as histórias do avô. A janela aberta faz o olhar viajar. Até um urso voa!
Tudo sempre acompanhado por ilustrações da premiada Angela-Lago, que dá um charme extra à obra.

Apresentação do livro no site da editora Aletria:

"No livro Nas asas do haicai a premiada autora Sônia Barros faz o retrato de um voo, utilizando como fio condutor o alfabeto. Os versos de Sônia ganham ainda mais emoção com os desenhos de Angela-Lago que são verdadeiras obras de arte. Um dos mais importantes nomes da literatura infantil no mundo, Angela neste livro, inovou mais uma vez: usando a estética de desenhos de criança, quase garatujas, ela nos convida a refletir e sentir os haicais de Sônia."





Este livro tem um significado especial para mim, pois, além de ser dedicado à Fanny Abramovich, minha "fada-madrinha", que muito me ajudou a alçar voos, foi ilustrado pela Angela-Lago, que admiro desde sempre. Essa parceria, de ter um livro com desenhos da Angela, é um sonho realizado!












haicai letra O com animação - veja aqui






sábado, 25 de fevereiro de 2017

Semana da Cultura Brasileira na Escola Americana de Campinas - Campinas/SP

Foi uma honra participar, como autora convidada, da Semana da Cultura Brasileira na Escola Americana de Campinas. Foi minha segunda participação nesse evento (que, este ano, aconteceu de 20 a 24 de fevereiro) cujo objetivo é valorizar a cultura brasileira, inclusive a literatura. 

Agradeço o convite da querida professora Gislene Nini, que adotou dois títulos meus para leitura de seus alunos: "O gato que comia couve-flor" e "O que é que eu faço, Afonso?", ambos da Atual editora (Somos Educação). 

Também agradeço a querida professora Telma Ladeira, que realizou um belo trabalho com seus alunos a partir do livro "Um bichinho só pra mim", da Quinteto editorial (FTD). Às queridas Annelise Cabral, Juliana Ramalho, Laís Martins (bibliotecária), Ester Gonsalez (diretora) e demais professoras que tão carinhosamente me receberam, o meu muito obrigada!

Além desses livros, autografei outros títulos adquiridos pelos alunos na Feira do Livro realizada durante o evento: "Pode ser depois?", "Saudade doída" e "A coragem de Leo", da FTD; "Coisa boa", editora Moderna; "Tatu-balão" e "Nas asas do haicai", editora Aletria. 

Respondi perguntas das crianças, recebi cartinhas, desenhos e muito carinho! Partilhei a minha história de amor pelos livros, e, para minha surpresa, o vídeo feito pela Fundação Social do Itaú, para a campanha "leia para uma criança", em que eu conto um pouquinho dessa história, foi assistido por todos os presentes. Para assistir clique aqui 

Foram momentos muito especiais! 


Lendo "O GATO QUE COMIA COUVE-FLOR", Atual editora


Lendo poemas do livro "NAS ASAS DO HAICAI", editora Aletria





















Com a professora Telma Ladeira, e o livro UM BICHINHO SÓ PRA MIM, Quinteto/FTD










Com a professora Gislene Nini, e o livro "O QUE É QUE EU FAÇO, AFONSO?", Atual editora
Com a professora Carolina Ramalho, e o livro "PODE SER DEPOIS?", FTD



Com a professora Annelise Cabral e seu filho, que escolheu o livro "A CORAGEM DE LEO", FTD









































Lendo o livro COISA BOA, editora Moderna






















































Com a diretora Ester Gonsalez



quarta-feira, 15 de julho de 2015

FIOS (poesia) Prêmio Paraná de Literatura 2014

Apresentação de André Seffrin:


Entre 260 concorrentes ao prêmio, o júri foi unânime em considerar Fios um livro de qualidades acima da média e com força suficiente para se destacar no panorama atual de nossa poesia.

Elaborado em seis anos de trabalho, entre 2008 e 2014, este livro revela uma poeta no pleno domínio da sua oficina, consciente no enfrentamento do ofício e seus insistentes desafios. Segundo sua própria sugestão, são os “fios do ofício” de uma poesia tão nova e tão antiga em seus propósitos, muito bem situada semanticamente em seus circuitos, entranhada no conflito do seu íntimo ruminar.

Estrategicamente ancorado na memória (“Resgate”, Varal”), frente ao trágico transe de viver (“Constatação”, “Roto caminho”), a poeta se movimenta em espaços paralelos ou labirínticos (“Novelo”, “Tentativas”, “Duplo cozinhar”), e a seu modo é pouco acomodada a fórmulas. Sua angústia seca se propõe “sempre de partida / sem chegada”, onde poesia é desconforto e jogo de epifanias intencionalmente trincadas. Já o poema de abertura prenuncia um andamento que em seguida é pontuado por versos e ideias recorrentes, moto-contínuo evidente também nos títulos dos poemas, entretecidos em “fios de um sonho”.

Como um ator que abandonasse o palco-labirinto de si mesmo sem o providencial fio de Ariadne, a poeta nunca se sente em casa, nem no espaço da representação: ”... só se pudesse/ encenar-encarnar Teseu/ e o real deixasse/ de ser labirinto// para tornar-se caminho”. Porque nesta “fria antecâmara do real”, tudo começa e termina nas frestas do discurso, onde eventualmente podem as ideias e as palavras se arrastarem sem sossego no inefável do silêncio. A ânsia de “tocar a superfície do real”, lugar “onde pudesse estar/ sabendo-se terra viva” é tão fugaz quanto o gozo fraturado dos instantes, “voo à procura de outro/ céu para o pouso”.

O tom às vezes enganosamente prosaico de alguns poemas se intensifica ainda mais na segunda seção (“arte”), em diálogos com o cinema, a música, as artes plásticas e, ainda e sempre, com a poesia de outros poetas. Num “céu do pensamento” a poeta pulsa junto aos móbiles de Calder, aos “fios e traços exatos” de Francis Ponge, aos “escombros de vidro e veludo” de Mahler, às “vidas de sólida escuridão” de Goeldi, às flores de pedra de Gabriel Joaquim dos Santos. Ali onde a solidão é comum, nessa convergente “artéria da melancolia” que é a arte.

Uma linguagem de “pétalas impossíveis num pântano de arame farpado e raízes”, de “labirintos por entre as vigas da palavra”. E a dedicatória – “para Donizete Galvão, em memória" – ilumina certas poéticas circunvizinhas, uma vasta “família espiritual” da poesia brasileira moderna e suas heranças catalisadoras. Como no poema final, entre tantos outros pontos altos deste livro singular.



Entrevista: clique aqui

Poemas: clique aqui

(Jornal Cândido, da Biblioteca Pública do Paraná)



Vídeo da premiação em Curitiba, Biblioteca Pública, em dezembro de 2014. Clique aqui




quarta-feira, 8 de julho de 2015

TATU-BALÃO - EDITORA ALETRIA

Nascimento de livro é sempre uma grande alegria! TATU-BALÃO é o meu décimo nono, mas parece ser o primeiro, pois a emoção se renova a cada livro, a cada nascimento!

Este é um livro especial. Conta a história de um tatu, mas também a minha, e a de muita gente. História de um sonho e, principalmente, da luta e persistência para realizá-lo! História de amor e de amizade. E de partilha! 

É o meu primeiro livro pela Editora Aletria (das queridas Rosana e Juliana Mont'Alverne), que fez um trabalho de edição primoroso! E as belíssimas ilustrações são da Simone Matias.




"Conheça a história de um tatu que não era feliz, não. Tinha um sonho na cachola: não ser bola, ser balão! 

Determinado, o tatu subia todos os dias no alto de uma montanha e, corajoso, se lançava desejando finalmente tornar-se... tatu-balão!

Será que ele conseguirá realizar seu sonho? 
Essa bela história sobre o direito de sonhar é contada em versos pela escritora Sônia Barros. 
O poema ganha ainda mais beleza com as ilustrações de Simone Matias".






























segunda-feira, 6 de julho de 2015

LICEU NOSSA SENHORA AUXILIADORA - CAMPINAS - SP


No dia 18 de junho estive no Colégio Liceu Nossa Senhora Auxiliadora, em Campinas, para falar com as 5 classes de 6o. ano sobre meu livro DIÁRIO AO CONTRÁRIO, editora Atual/Saraiva.


Este meu primeiro livro publicado tem sido adotado pela querida professora Célia Giorgi há 14 anos! 

E a cada encontro minha emoção se renova ao ouvir dos alunos o quanto se envolveram com a história de Dudu: um adolescente que não gosta muito de escrever e acha que diário é coisa de menina, mas, a partir de um acontecimento mágico em sua vida, resolve voltar no tempo e registrar por escrito os últimos dois meses. E assim vai revivendo, em cada página do diário, alegrias e tristezas, angústias e esperanças... até chegar ao dia mais feliz de sua vida, quando seu sonho se realiza!



Agradeço à professora Célia e à bibliotecária Sonia Buba pelo convite e pela acolhida tão carinhosa! E as parabenizo pelo belo trabalho de incentivo à leitura. 


Agradeço também ao divulgador Cícero, da Saraiva, que me acompanhou e registrou o encontro. 


Foi muito bom estar, mais uma vez, nesse colégio tão querido!